<$BlogRSDURL$>

domingo, outubro 23, 2005

Macau, Praça do Leal Senado [15.20 - 8.20] 



O fio de voz atravessa vários continentes, e pelo meio mais um subcontinente que deixa escorrer uma lágrima no Índico, e perde-se invariavelmente nesta imensidão. Tem sido assim sempre que falamos por telefone, que é, nestes tempos, afinal a forma mais inverosímil de falar de tão longe para tão longe. Há outras, mas todas elas envolvem mais logística; esta é mais linear e no entanto, no momento em que as vozes se cruzam ficamos metade do tempo em perguntas, meias frases: "estás a ouvir?", "não se ouve nada", "ouço um eco", "vou passar", "fala mais alto", "ouço a voz ao fundo", "é melhor desligar". Uma decepção, de que só escapa ouvir-se mesmo, ainda que por instantes, o fio verdadeiro da voz do outro lado. Não o que tem para dizer, mas a ela mesma, na sua clara presença. Só isso, o que é muito, mas que está longe de ser tudo.



Falaram-me desde a Praça do Leal Senado, centro cívico e político da cidade de Macau. Não sei de onde. E há uma coisa que me inquieta. Em todas as fotografias que tenho visto não vislumbro nenhuma mesa de café. Será possível não haver naquele lugar um café com esplanada de onde se possa ver o mundo, aquele pedaço glorioso do mundo?




[O Leal Senado há muitos anos, com patine]

Comments:
que saudades do meu Leal Senado... eh incrivel como nos maravilha alguem amar a nossa terra natal e conseguir partilhar e espalhar esse amor atraves do mundo virtual. parabens pelo blog!
 
Enviar um comentário