<$BlogRSDURL$>

quarta-feira, outubro 19, 2005

Esperar pela Feira, promessa de uma vida livre 

A Feira do Livro de Lisboa chega sempre muito cedo no calendário. Começa o ano, chega o bom tempo e mal dou pelos dias já estamos no início da época de caça ao livro barato. Eu sei que dizer isto em final de Outubro é um pouco cedo demais, mas a verdade mantém-se. Já comecei a imaginar, e a antecipar com volúpia, os dias da feira, lá para o final de maio, princípio de junho. O bom tempo, o calor atenuado pelo vento, as pessoas, os livros e sempre os livros, a promessa de uma vida livre. O desafio desta feira é que ela seja, durante quinze dias, não apenas um entreposto de venda de livros a preço módico, mas também um momento de descobertas de autores e de literaturas. Comprar e ler. Com uma festa tropical no fim, lá em casa, para folhear os livros comprados. E um menú básico para acompanhar: sumos tropicais e outros, tão naturais quanto possível - laranja, limonada..., - sangria pode dizer-se que é sumo? -; caracóis para acompanhar com a cerveja nacional e internacional [é uma forma de dizer]; gambas à maneira, como nós gostamos e mais as azeitonas e os tremoços, como cantam no anúncio da Imperial; sandes para matar a fome, ao menos por alguns momentos, saladas de fruta com sumo, pudim... e que mais? Uma canja no final disto tudo, com música a acompanhar? E a toda a volta, os livros, os livros, os livros.

Comments:
Best regards from NY! »
 
Enviar um comentário