<$BlogRSDURL$>

terça-feira, agosto 23, 2005

Autógrafo floral de Raul de Carvalho 



Raul de Carvalho, primo e camarada unido por "laços de sangue" é o poeta mais representado na biblioteca de Sebastião Penedo. A sua obra é copiosa e multiplicada por pequenos e saborosos objectos-livro, opúsculos e edições bem cuidadas, ainda que muitos sejam edição de autor. Se não me falhou nada, são os seguintes:

As Sombras e as Vozes [1949]
Mesa da Solidão [1955]
Parágrafos [1956]
Poesia 1949 - 1948 [1965]
Tautologias [1968]
Realidade Branca [1968]
Tudo é Visão [1970]
Poemas Inactuais [1971]
Uma Estética da Banalidade [1972]
De Nome Inominado [1974]
A Casa Abandonada [1977]



A dedicatória de A Casa Abandonada, a que já me tinha referido, é um verdadeiro arranjo floral.

"Ao Poeta Sebastião Penedo,
Ao Sebastião.
Esta casa afinal não de todo
abandonada (e, por último, algumas vezes
ficticiamente [?]feliz.

Com os "laços de sangue", a grata
camaradagem (que a minha Mãe perfilharia) e a
sempre que justificada, admiração, do teu primo poeta -

Raul de Carvalho.

1-XII-977."


Nos Poemas Inactuais a dedicatória é de "revolta e nojo". Estava em 1971, compreende-se:

"Ao Sebastião.
Este livro onde há, também "angústia,
revolta, medo e nojo disto tudo, mas mesmo
de tudo, -"

Com um abraço.

Raul de Carvalho
26/ Outubro/ 71."


Voltarei provavelmente noutra altura, noutra visita, a estes livrinhos.

Comments:
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Este comentário foi removido pelo autor.
 
Enviar um comentário